quinta-feira, 20 de maio de 2010

O Tri ficou para o ano que vem

Crédito: VipComm
Eu gostaria muito de estar escrevendo aqui sobre mais uma classificação do Cruzeiro às semi-finais da Copa Libertadores, ou pelo menos de uma vitória.

Infelizmente, o Jorge Larrionda (o juiz uruguaio) conseguiu dissipar no apito as chances que nos restavam de classificação. Não que tenhamos perdido a classificação no Morumbi. O ponto crucial foi a derrota no Mineirão. Mas, se o juiz não tivesse expulsado o Kléber naquele lance, que só ele e o Richarlyson acharam violento, a sorte celeste poderia ser outra.

Acho que, mesmo com 10 em campo, o time não jogou mal. Os jogadores dominaram bem a bola. Entretanto, precisando do resultado, o time ficou exposto e tomou inúmeros contra-ataque, que resultaram em dois gols e várias defesas de Fábio.

A vida continua. Temos ainda o Campeonato Brasileiro pela frente. Dá para ser campeão, desde que venham reforços. Penso que o caminho não é demitir o treinador, mas dar a ele elenco para fazer um belo espetáculo.

A torcida celeste não desistirá do time. Temos orgulhos de todas as glórias que já conquistou e que ainda conquistará. Cruzeiro: o verdadeiro orgulho de Minas.

2 comentários:

Renato Costa disse...

Tá certo que ele prejudicou logo no primeiro minuto de jogo, mais o adilson prejudicou nos 180 minutos... =\

Flávio Otávio Ferreira disse...

Concordo com a ideia de manter o treinador...coisa que a diretoria fez bem nesses últimos anos, enquanto todo mundo pedia a cabeça do Adilson. Porém, como é notório a todo cruzeirense que pensa além da emoção, a diretoria não ajuda com contratações. Assim, vamos ter sempre um elenco competitivo, mas nunca um time campeão.